fbpx
Tendências em nutrição

Tendências em nutrição: 5 expectativas para 2020

Última atualização em

Essa é a melhor época do ano para pensar em tendências em nutrição. Uma nova década se inicia, e nada melhor que buscar ou aperfeiçoar para os próximos anos.

Por meio de eventos realizados, insights, dicas e tendências em nutrição são apresentados para profissionais da área.

Entre os eventos, está o Nutrition Conference and Expo, um encontro que envolve nutrição e alimentação. Em sua última edição, uma programação aborda temas importantes e controvérsias.

Assuntos relacionados à nutrição ao longo da vida, saúde comportamental e inovações na nutrição e dietética se destacam na conferência, que reúne nutricionistas de vários países, inclusive no Brasil.

Seja na nutrição ou na gastronomia, como tendências acontecem e traz mudanças importantes. 

Já sabemos que, principalmente como as metodologias de ensino aplicadas à nutrição, vão ter uma virada de chave em 2020. 

Então, o que esperar das tendências para este ano?

Muito se fala em agricultura regenerativa, poder de farinha, alimentos da África Ocidental, lanches prontos para uso, mas uma pergunta é: 

O que realmente vai ser tendência e quais são as opções de alimentos saudáveis?

5 Tendências em nutrição para 2020

1- Frutas e Hortaliças

Frutas e Hortaliças

Em primeiro lugar, vamos falar de tomate, consumido no mundo todo. Além do paladar agradável, ele pode ser usado em vários tipos de pratos.

Como sabemos, ele é um fruto rico em nutrientes e composto pela vitamina A, B e C.

Além das vitaminas, o tomate também contém sais minerais, potássio, cálcio, magnésio, fósforo e ferro.

Sendo saboroso e rico em vitaminas, como C, pode ser usado em sucos, molhos, sopas, saladas e tortas.

Além disso, o fruto contém propriedades antioxidantes. O licopeno, presente no tomate, protege o organismo contra uma ação prejudicial das radicais livres. 

O licopeno é uma substância carotenoide, responsável por dar uma cor média ao tomate, à melancia, à goiaba e a outros frutos e hortaliças.

Mas para que serve o licopeno?

Criar o aumento das enfermidades crônicas, como câncer de próstata, doenças cardiovasculares e outras, ou licenciar ajuda na prevenção e promoção de saúde.

Pode reduzir o risco de doenças crônicas e trazer benefícios ao organismo.

É importante lembrar que não há nenhum tipo de restrição ao consumo de tomate.

Uma dica é seguir as recomendações dos Guias Alimentares para Brasileiros. Este material pode ajudar muito na orientação de clientes, sobre alimentação saudável.

2- Prebióticos e Probióticos

Prebióticos e Probióticos

Prebióticos são componentes alimentares não digeríveis. Eles estimulam a proliferação ou atividades de bactérias no intestino (cólon).

São tipos de fibras que resistem à acidez do estômago. Os práticas são encontradas em alimentos como cebola e banana.

Já os probióticos são microrganismos vivos, presentes na microbiota intestinal, com benefícios para o hospedeiro.

Um dos alimentos probióticos mais famoso é o leite fermentado pela bactéria Lactobacillus casei Shirota. 

3- Laticínios inovadores 

Laticínios Inovadores

Produtos como iogurtes à base de coco, queijo cottage com sabor, sorvete sem lactose e sobremesas lácteas estão na lista dos registrados laticínios inovadores.

Com uma utilização concentrada de proteínas de soro de leite, são bebidas alcoólicas lácteas fermentadas.

As tendências em nutrição apontadas para esse cenário em 2020.

E muitas empresas estão investindo em tecnologia e inovação, com soluções para o mercado de alimentos.

A indústria quer atender a pedidos de desenvolvimento de produtos com mais benefícios para a saúde. Por isso, o mercado lácteo inova e cria estratégias de crescimento corporativo.

4- Produtos vegetarianos

Produtos Vegetarianos

A procura por alimentos integrais à base de vegetais aumentou em 2019.

A indústria de olho na demanda, vem se adaptando e, com isso, lança produtos à base de plantas.

Queijos, lanches, lasanhas e hambúrgueres de vegetais crescem em popularidade.

A cada dia encontrar mais produtos vegetarianos nas prateleiras dos supermercados. Contudo, é preciso usar o consumidor para ficar alerta!

Alimentos industrializados à base de vegetais não são saudáveis.

A alimentação saudável vegetariana é composta por cereais, leguminosas, frutas, hortaliças e oleaginosas. Mas tudo com equilíbrio, para evitar deficiências e excessos.

Vamos relembrar que há várias linhas de vegetarianismo, como:

  • Ovo-lacto-vegetariano
  • Lacto-vegetarianismo
  • Crudivorismo
  • Frugivorismo
  • Alimentação Naturalista

5- Produtos para alérgicos

Produtos para Alérgicos

Esses alimentos vêm ganhando espaço no mercado, principalmente para pessoas alérgicas ao glúten ou à lactose.

Indivíduos alérgicos e glúten são incapazes de digerir uma gliadina (proteína do glúten).

A doença celíaca tem um recurso de alergia a glúten, e ela não tem cura. A ingestão de glúten causa danos às vilosidades intestinais.

Portanto, para pessoas com doença celíaca, uma dieta deve ser 100% livre de alimentos que podem ser colados, como:

  • Cevada
  • Trigo
  • Centeio
  • Aveia
  • Derivados de Cereais

Já não há casos de intolerância à lactose, ou leite é o grande problema. 

A lactose é o açúcar encontrado no leite, que causa intolerância. Para isso, o indivíduo tem deficiência da enzima lactase no corpo. 

A lactose não pode ser absorvida sem ação da enzima lactase. Na ausência dela, uma ingestão de alimentos contendo lactose causa dores, gases, irritações intestinais, diarreia e desconforto.

O consumo de produtos de soja, arroz, caju e coco é uma opção para ajudar na variação da dieta. 

Mas o ideal é usar medicamentos que usam a enzima lactase, antes de ingerir alimentos incluídos lactose.

Conclusão

Como mudanças na área de alimentação e nutrição são constantes. Também cresce, a cada dia, o número de consumidores que exige conforto e segurança alimentar.

A indústria alimentar vai em direção às tendências. Um exemplo é a criação em laboratório (in vitro) de produtos como carne à base de células, a partir de células-tronco de animais. É uma chamada “carne limpa”.

Outra linha é a produção de produtos à base de proteínas vegetais, para substituir a carne vermelha. 

É claro que tudo isso ainda precisa passar por um período de aceitação. Mas é importante que estejamos, sempre, mostramos sobre as novas tendências, não é mesmo?

Quer ficar por dentro das tendências em nutrição?

Siga-nos no Instagram @institutocristinamartins.

Se você gostou do artigo, compartilhe nas redes sociais e deixe o seu comentário.

Comentar